Translate

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Desafios com o Presidente Temer

Em seu discurso de posse, o presidente Michel Temer disse mais de uma vez que não há o que comemorar e que o desafio é grande. Porém, o desafio posto para a esquerda, partidos de oposição e movimentos sociais, é gigantesco, mostrado por seu ministério.

É preciso lembrar que pouco antes da sua posse chegou à Comissão de Constituição e Justiça no Congresso a Proposta de Emenda à Constituição que dispensa licenciamentos ambientais para obras públicas. O autor da PEC é agora Ministro da Agricultura. Líder da bancada ruralista, Blairo  Maggi é antigo adversário de movimentos de trabalhadores sem terra e defensor de iniciativas que agradam ao latifúndio nacional. As dúvidas sobre nosso meio ambiente, sobre a função social da propriedade agrícola, energias renováveis entre outras questões se agigantam.

O presidente nomeou ministros que estão sob investigação da Operação Lava Jato. Sem novidades, pois a presidente anterior nunca se incomodou em ter ministros investigados e os defendeu explicitamente, porém no momento político que vivemos é um descaso com a operação que o próprio Temer já disse que apoia a continuidade, concedeu foro privilegiado para pessoas de quem devia manter distância.

Temer não parou por aí. Em sua posse, logo após anunciar seus ministros recebeu convidados para uma oração em seu gabinete. Até então, problema algum que expresse sua fé para enfrentar pressões tão grandes. Contudo, não agrada nada a defensores de direitos humanos saber que Silas Malafaia foi o pastor que comandou o evento. As posições homofóbicas, criacionistas e intolerantes em geral do pastor exigem um esclarecimento sobre que papel ele tem exercendo influência sobre o presidente.

Mas voltemos aos Ministérios. A secretaria especial de direitos humanos está subordinada ao Ministério da Justiça, cujo ministro tem péssimo histórico de confrontos com professores em São Paulo, como secretário de segurança. Educação e Cultura fundidos (com "n" ok?). Programas sociais com promessa de auditoria para reduzir seus beneficiários. Se era preocupante termos o congresso mais conservador em décadas na presente legislatura agora temos o presidente mais conservador desde muito tempo.

Por todo o mundo, tem predominado que as democracias procurem distribuir cargos que respeitem a diversidade étnica e sexual da sociedade, tendo mulheres, negros entre seus membros. O presente ministério é branco, acima dos 50 anos e sob investigação. A mensagem conservadora se mantém do pior modo possível. A propósito, a secretaria nacional dos direitos das pessoas com deficiência também acabou, apesar de contarmos com nova legislação e novas políticas públicas sobre este público.

Seriam muitos os problemas mas o maior deles é termos alguém inelegível, ficha suja por condenação em tribunal por crime eleitoral, como presidente. Mais do que isso, ainda sob julgamento de processo de impeachment próprio na Câmara, contra a sua chapa com a ex-presidente no TSE entre outras investigações. Ele já concedeu algumas entrevistas, expressa-se bem em público, tem clareza e objetividade para dizer o que pensa, mas faz falta que alguém pergunte sobre essas questões. É preciso saber o que o presidente tem a dizer sobre seu mandato ser provisório (ele manteve em sinal de respeito a foto da presidente Dilma Roussef nas paredes) não apenas pelos 180 dias de afastamento de quem ele substitui, mas por que há motivos para que ele não complete dois anos.

Nossa democracia continua incompleta e imatura. Nossas instituições não colaboram.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...