Translate

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Para entender a crise na Somália

Do boletim de Médicos sem Fronteiras:

Crise: Somalis fogem da seca e da fome

As condições da população somali, que já estavam deterioradas por 20 anos de conflitos, foram agravadas ainda mais pela seca que prejudicou as colheitas, causou a morte do gado e elevou o preço dos alimentos. Em busca de alimentos e assistência médica, os somalis andam por dias até chegar aos campos de refugiados de Dadaab, no Quênia.
 
Mas em Dadaab a situação também é alarmante. Já são mais de 370 mil refugiados nos três acampamentos que formam Dadaab, que têm capacidade para abrigar apenas 90 mil pessoas. A maioria dos recém-chegados acaba se instalando no entorno do campo onde não recebem assistência adequada.
 
Os refugiados somalis têm que suportar atrasos para serem registrados nos acampamentos e ter acesso a alimentos, água e abrigo. Médicos Sem Fronteiras está atendendo as necessidades médicas, incluindo o tratamento de cerca de 10 mil crianças desnutridas no campo de Dadaab e arredores. A organização alerta: em Dadaab, a situação é de crise humanitária. 
 
Fotos: A luta dos somalis pela sobrevivência»
 


Refugiados da Somália podem ser transferidos para acampamento sem infraestrutura

A transferência de refugiados somalis para o campo Ifo 3, anexo a Daddab, preocupa MSF. O campo Ifo 3 não atende aos mínimos padrões humanitários. A transferência, realizada pela Acnur, agência da ONU para refugiados está sendo feita com pouca transparência. A poucos quilômetros o campo Ifo 2, com estruturas de saúde e saneamento já montadas, permanece vazio. MSF pede ao governo do Quênia e ao Acnur que garantam a transferência imediata dos refugiados para Ifo 2, como havia sido anunciado duas semanas antes.
 
Leia mais»
 

MSF pede fim de atrasos e restrições para somalis que precisam de auxílio e refúgio

Em função do agravamento da crise nutricional na Somália, MSF pediu a todas as organizações presentes no país e em países vizinhos e à comunidade internacional que melhorem de maneira significativa a assistência à população somali, e que removam todos os obstáculos que atualmente impedem a expansão da ajuda humanitária independente. "Cada pessoa afetada precisa receber assistência, seja dentro da Somália ou no caminho, quando estão em fuga para os países vizinhos", disse Jean Clément Cabrol, diretor de operações de MSF
 
Leia mais»

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...