Translate

sábado, 31 de outubro de 2009

Discriminação no ENEM

Eles não aprendem. Como se não bastassem tantos escândalos sobre fraude, problemas com estudantes judeus que precisaram pedir judicialmente o respeito ao domingo, para fazerem prova em outro dia, os organizadores do ENEM discriminaram um estudante com deficiência.

Normalmente, republico aqui apenas os primeiros parágrafos de notícias, com link para ler a íntegra. Dessa vez, pelo teor do que é divulgado, segue na íntegra:

http://www.baguete.com.br/noticiasDetalhes.php?id=3511637
Após cursar o técnico de informática e os ensinos fundamental e médio utilizando um computador adaptado como meio de comunicação, o programador Guilherme Finotti, 17 anos, portador de paralisia cerebral, está impedido de usar o equipamento na prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Com a intenção de prestar vestibular no final do ano, a não realização da prova impedirá o jovem de pleitear vaga nas universidades que adotarem o exame como ferramenta de seleção, além de acabar com a chance de concessão de bolsa de estudos.

Desde maio, a mãe de Guilherme, Eunice Finotti, está tentando a inclusão do filho na prova, porém a última resposta que obteve do Inep (Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) é de que apenas poderiam ser disponibilizados recursos como auxílio de fonoaudióloga para transcrição e uma hora a mais de tempo, não sendo possível o uso de equipamentos eletrônicos.

Segundo a professora do laboratório de inclusão e ergonomia da Feevale, Regina de Oliveira Heidrich, que desenvolveu as adaptações no computador e trabalha com o jovem desde 1998, a proposta de acompanhamento de uma fonoaudióloga demonstra a ignorância em relação a um problema de comunicação de um paralisado cerebral.

“Embora tenha o cognitivo totalmente preservado, o Guilherme não fala nem caminha, e apresenta movimentos involuntários. Trabalho com ele desde que tinha cinco anos e ainda tenho dificuldades de entender o que tenta falar. Estão identificando fraude quando o que queremos é apenas um computador que tenha a prova do Enem e um editor de texto” Regina analisa.

Em relação à proibição de utilizar o computador na prova, Finotti escreveu que se sente como um cidadão digno sem direito de crescer na vida. “Sou jovem e quero fazer o Enem com o meu lápis, que é o meu computador. Estou sendo tratado como se apenas quisesse brincar no exame”, enfatizou.

As adaptações consistem em um mouse especial e uma máscara do teclado, denominada colméia. Através delas são reduzidas as dificuldades de coordenação motora, como o fato de esbarrar nas teclas devido aos movimentos involuntários. O rapaz começou a utilizar o equipamento ainda na pré-escola, quando a professora Regina tomou conhecimento do caso.

“Após retornar de um mestrado em São Paulo, onde trabalhei com crianças da Apae, estava disposta a realizar a pesquisa do doutorado nesta área. Fui apresentada ao Guilherme, realizei alguns testes e constatei que realmente o intelecto não havia sofrido danos. Fiz alguns aprimoramentos na colméia do teclado, ele passou a freqüentar a escola com o auxílio do computador e desde então acompanho o seu desenvolvimento. É um aluno inteligente, com notas acima da média do restante da turma”, destaca Regina.

Tanto o curso técnico como os ensinos médio e fundamental foram cursados em escola inclusivas, com alunos com e sem necessidades especiais. “Nunca senti preconceitos, mas isso é algo que não me atinge”, declara Finotti quando questionado sobre a convivência com os colegas e professores.

Na opinião da professora, muitos paralisados cerebrais estão em instituições de educação especial por preconceitos e problemas motores, sendo a informática um forte fator de apoio para inclusão educativa. Para ela o principal problema está na falta de informação e formação de professores no ensino regular, para que possam dar a assistência necessária aos alunos em suas aulas.

“Conheço vários paralisados cerebrais que se alfabetizaram sozinhos ou com apoio da família, pois nunca foram aceitos na escola. Há o caso de um aluno bem incluído no ensino médio e que quando foi cursar a faculdade não tinha sequer ajuda para ligar seu notebook, sendo completamente ignorado. Essas questões são muito sérias, não se pode incluir sem ter o conhecimento de como é trabalhar com essas pessoas”, relata a professora.

Além de freqüentar as aulas do terceiro ano do ensino médio, que deve conclui no final do ano, o jovem também é bolsista de iniciação científica Jr. no Projeto Design Inclusivo Utilizando TIC´S (Tecnologias de Informação e Comunicação) Aplicadas à Educação, desenvolvido por Regina.

Como bolsista, duas vezes por semana o programador estuda e desenvolve tecnologias assistivas, softwares e hardwares voltados a pessoas com necessidades educacionais especiais. Entre seus projetos, destaca-se um jogo para alfabetização de crianças com paralisia cerebral, ainda em fase de testes.

Se tudo der certo e Finotti conseguir realizar o Enem, o próximo objetivo é pleitear uma bolsa nos cursos de Jogos Digitais, Sistemas para Internet ou Ciência da Computação. “Acho que escolhi essa área pelo fato de o computador ser quase meu ‘quinto membro’. Lembro que infernizei muito minha mãe para me matricular no técnico. Nunca imaginei que fosse me apaixonar pela área, o curso foi a melhor coisa que fiz na vida”, conclui.

No que depender do mercado de trabalho, o jovem tem tudo para conseguir uma boa colocação. Só no Baguete, por exemplo, nos últimos dois anos foram anunciadas mais de 300 vagas destinadas aos portadores de necessidades especiais, isso apenas na área de informática.

Desde 1991, a Lei de Cotas (nº 8.213) determina que todas as empresas brasileiras com mais de cem funcionários devem ter de 2% a 5% de deficientes contratados no seu quadro de funcionários. Assim, o mesmo governo que garante oportunidade no mercado de trabalho para os portadores de necessidades especiais, impede o jovem Guilherme de buscar qualificação.

“A demanda por profissionais portadores de necessidades especiais é muito maior do que a oferta. Há punições para a empresa que não preenche a cotas de deficientes prevista em lei, mas como os anúncios são realizados e as vagas não são preenchidas, fica comprovada a falta de pessoal qualificado”, revela Giovana Strano, diretora da TI Works, empresa gestora de recursos humanos focada em TI.

De acordo com informações do Departamento de Neurologia Infantil da USP, a incidência de casos de paralisia cerebral em países em desenvolvimento como o Brasil pode alcançar até sete para cada mil nascidos vivos, em contraposição a dois em cada mil nos países desenvolvidos. Outros estudos citam a estimativa de 30 a 40 mil novos casos por ano no país.

Proteste
Os leitores do Baguete Diário que quiserem se manifestar em favor de Guilherme Finotti podem mandar o link dessa matéria e seus comentários para o endereço de e-mail do Inep: faleconosco@inep.gov.br.

Discriminação contra Guilherme Finotti
Prezados senhores,
Como Coordenadora Executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas, ONG que desde 1989 atua na área da deficiência e como socióloga que desde 1976 atua nessa mesma área, venho unir minha voz e meu protesto ao escrito pelo Prof. Dr. Teofilo Galvão Filho.
É absolutamente impensável, em um país cuja Constituição cidadã garante, desde 1988, educação e igualdade de acesso à educação para TODOS e que tem um arcabouço jurídico sólido, que garante e reafirma esse direito e que ratificou a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com deficiência pelo Poder Legislativo (2008) e pelo Poder Executivo (2009) que não seja permitido a esse jovem fazer o exame utilizando tecnologias assistivas, essas mesmas que permitiram que ele tenha tido uma escolarização de qualidade até aqui.
Basta que o próprio INEP forneça o computador com apenas um editor de textos e a prova. Não parece tão complexo, não é mesmo? Ou o INEP não confia em seu pessoal e acha que o computador terá outros arquivos? Ou qual seria o motivo de não respeitar o direito à equiparação de oportunidades?
Essa atitude, vinda de um órgão da estatura do INEP, que traz o nome de um ilustre educador (e atrevo-me a pensar que ele estaria envergonhado, caso soubesse dessa decisão discriminatória), que pertence ao MEC, que tem lutado PELA inclusão e que em última instância está ligado ao Governo Federal, que acaba de ratificar a Convenção pela segunda vez, justamente para reafirmar seu compromisso a favor da educação para TODOS, que tem liberado verbas para tecnologias assistivas e outros recursos de acessibilidade, é inaceitável. Vai contra as leis vigentes e contra a postura do próprio governo ao qual o INEP pertence.
Ao ler essa notícia, não pude deixar de pensar: será que foi a primeira vez? ou outros estudantes já receberam esse tratamento discriminário e foram impedidos de prosseguir seus estudos, ao arrepio das leis brasileiras vigentes?
Espero que essa decisão seja revista e no mais breve espaço de tempo possível.
Atenciosamente,
Marta Esteves de Almeida Gil
Coordenadora Executiva
Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas
Caros senhores;

Venho juntar meus protestos aos já existentes contra essa barbarie que está sendo discriminar meu colega com paralisia cerebral, Guilherme Finotti, ao vetar-lhe as condições necessárias para a realização da prova a que se candidatou. É um absoluto absurdo e, ao discriminar Guilherme, estão discriminando a todos nós, pessoas com deficiência. Não é concebível que pessoas ligadas à educação, cuja política de governo é a da educaçãoinclusiva, esteja praticando exatamente o inverso, indo contra todas as leis existentes no país. Isso é nosso direito, já adquirido, e vocês estão praticando crime ao fazê-lo. Não há justificativa viável e possível.
Ao que brar essa regra ética e legal, os senhores estão ameaçando a todas as pessoas com deficiência desse país, mesmo que para parte de nós já tenham oferecido acessibilidade. Estamos juntos a Guilherme e não abriremos mão de que ele faça a prova, sob ameaça de adiarmos novamente o que vocês esperam ser uma prova dentro das leis e de nossos direitos.
Sem mais, além de todos os meus protestos e de minha família, deixo-lhes a consciência de um crime odioso e que, como sociedade, esperamos reparação e retratação por parte de vocês.

Marco Antonio de Queiroz – MAQ.


Já encaminhei meu protesto ao INEP. Para quem não prestou atenção à observação sobre o caminho para isso:

Os leitores do Baguete Diário que quiserem se manifestar em favor de Guilherme Finotti podem mandar o link dessa matéria e seus comentários para o endereço de e-mail do Inep: faleconosco@inep.gov.br.


4 comentários:

Adriana Calábria disse...

Sérgio

Tomei a liberdade de reproduzir seu post no meu blog, pois o tema pede isso.
Espero que não se importe :S
Já mandei também o meu protesto para o INEP.
Abraços.

Sérgio Coutinho disse...

Obigado, querida, pela solidariedade com Guilherme multiplicando indignação por meio do seu blog. Vamos ver se o INEP não se mexe, se é feito de gente. Abraços.

da korea disse...

A questão dos judeus e adventista não é o domingo e sim o sábado.

Sérgio Coutinho disse...

Mas a prova do ENEM não é domingo?

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...