Translate

domingo, 13 de maio de 2007

Às Mães


Feliz Dia das Mães
"As Mães da Praça de Maio completam nesta segunda-feira (29 de abril) 30 anos de uma luta iniciada para encontrar seus filhos desaparecidos na violenta ditadura argentina (1976-83) e que prosseguiu na democracia, ao levar seus lenços brancos a todo o mundo como símbolo de resistência e demanda de justiça.

"A Praça de Maio tem uma força centrífuga. Esta luta nos deu uma dimensão que ninguém esperava, nem nós mesmas", revelou Hebe de Bonafini, presidente da Associação das Mães da Praça de Maio, em entrevista durante a passeata semanal de número 1.562.

Muitos anos antes, em 30 de abril de 1977, quando se intensificava o terrorismo de Estado, 14 mulheres se reuniram na Praça de Maio para reclamar seus filhos desaparecidos, o que, com o tempo, seria encarado como ato de coragem fundacional da organização.

Essas donas-de-casa que deixaram suas cozinhas para empreender a busca de seus filhos não imaginavam então que o número de desaparecidos chegaria a 30 mil, segundo os organismos humanitários, nem desconfiavam do longo caminho que iniciavam.

"Nós acrescentamos um sentido à maternidade, a socializamos", explicou Bonafini, 79 anos, com dois filhos e uma nora desaparecidos. Do simples ato de entregar uma carta ao Papa João Paulo II até abrir processos judiciais na Alemanha, França, Itália, Espanha, entre outros países europeus, as Mães da Praça atravessaram com seus lenços brancos fronteiras do mundo inteiro.

A iniciativa de se reunir na Praça de Maio para ser ouvida pelo ditador Jorge Videla, que ocupava a Casa Rosada (sede de governo) desde 24 de março de 1976, foi de Azucena Villafor De Vicenti, seqüestrada em 10 de dezembro de 1978 e jogada de um avião militar em alto-mar.

Seu corpo foi devolvido ao litoral pelas águas e foi enterrado sem identificação em um cemitério local, mas o relato de testemunhas permitiu que seus restos fossem exumados e identificados em 2005 e simbolicamente sepultados na mesma Praça de Maio.

De Vicenti e outras mães foram vítimas diretas do ex-capitão Alfredo Astiz, o Anjo Louro da Morte, que as identificou depois de se infiltrar na organização como o suposto irmão de um desaparecido. "Julgamento e castigo para todos os culpados'", gritavam as mãe então. Hoje elas clamam que "A fome é um crime" e reclamam "Distribuição da riqueza já" e mantêm uma universidade, uma rádio, uma biblioteca, além de promover a construção de moradias humildes, entre outros sonhos tornados realidade. "


Fonte: AFP

Mães de Acari (cartaz do filme); Mães da Praça da Sé

1 comentários:

Geraldo disse...

Saudações ao "amigo" alagoano.
Sempre que posso estou por aí. No paraíso do mundo.
Parabéns pelo texto das Mães.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...